Mais 2 livros que a escola adquiriu

Padrão

 

A Rapariga que roubava livros

A Morte é quem nos conta a história da rapariga que roubava livros. Liesel é uma miúda, que foi entregue pela mãe, durante a Segunda Guerra Mundial, a uns pais adoptivos e que passa a viver a sua infância, nos arredores de Munique, mais precisamente na Rua Himmel. A Morte viu-a três vezes e três foram os livros que a rapariga que roubava livros roubou. Não vos irei contar onde e quando a Morte se cruzou com Liesel, mas conto-vos sobre os livros roubados. O Manual do Coveiro, o seu primeiro livro roubado, rouba-o durante o enterro do seu irmão. O segundo, O Encolher de Ombros, rouba-o a uma fogueira, em plena praça de festejos ao aniversário do Füher (o homem que lhe levou a mãe). E por fim, O Assobiador, rouba-o da biblioteca da mulher do presidente da câmara (a mulher que lhe viu a roubar o segundo livro e que começou a deixar a janela aberta).  Outros livros ela recebeu de oferta (de Hans, o pai adoptivo que lhe ensinou a ler e de Max, o pugilista judeu que tinha cabelos de penas) e muitos outros ela voltou a tirar da biblioteca que tinha sempre uma janela aberta. É com a ajuda de Rudy (o rapaz que ansiava por um beijo de Liesel) e também através dos livros roubados e oferecidos e das palavras (que mais tarde começa a escrever na cave), que Liesel sobrevive a uma Alemanha do Heil Hitler. A Rapariga Que Roubava Livros, de Markus Zusak é um livro que nos enche de uma contradição de sentimentos e que fará, com toda a certeza, parte dos livros da minha vida.

 

 

O vendedor de passados

‘Nada passa, nada expira / O passado é um rio que dorme / e a memória uma mentira multiforme.’ A letra da canção que aparece logo no primeiro capítulo do livro, resume a ideia central do mais recente romance de José Eduardo Agualusa. É a história de um albino que mora em Luanda, Angola, e que traça árvores genealógicas em troco de dinheiro. Estranho ofício, estranho o personagem principal – o vendedor de passados falsos, Félix Ventura – e mais estranho ainda o narrador: uma osga, um tipo de lagartixa. É ela que vai contar como o albino Félix fabrica uma genealogia de luxo para seus clientes. São prósperos empresários, políticos e generais da emergente burguesia angolana que têm futuro assegurado, mas falta-lhes um bom passado. A vida de Félix anda muito bem, até que uma noite recebe a visita de um estrangeiro à procura de uma identidade angolana. E, então, numa vertigem, o passado irrompe pelo presente e o impossível começa a acontecer. Sátira feroz à atual sociedade angolana, O Vendedor de Passados é uma reflexão sobre a construção da memória e seus equívocos.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s