Category Archives: Escritores na escola

Pedro Chagas Freitas fez workshop de escrita criativa

Padrão

Hoje, entre as 14h e as 17.30h, 13 alunos vencedores do concurso literário Álvaro Feijó 2017, do 3.º ano do ensino básico até ao 11.º ano, tiveram como prémio assistir a um workshop liderado pelo escritor Pedro Chagas Freitas, na biblioteca da Escola Secundária. Este prémio teve o patrocínio da Câmara Municipal de Lousada.

Desbloquear a criatividade e a imaginação, estimular a autonomia, experimentar palavras diferentes das habituais e conhecer técnicas de desbloqueio da escrita, foram alguns dos objetivos desta ação de formação, dirigida aos alunos vencedores. Todos os presentes ficaram deslumbrados com este ateliê e confessaram que melhoraram as suas capacidades comunicativas.

Pedro Chagas Freitas é autor de romances, novelas, contos, crónicas, guiões, letras de música, textos publicitários, entre outros. Tem publicadas mais de duas dezenas de obras.

Anúncios

Apresentação do livro “A Raposa Sebastiana”

Padrão

Convidada pela Biblioteca Escolar deste Agrupamento, e integrado na comemoração do Ano Municipal do Ambiente e da Biodiversidade, a escritora Beatriz Lamas Oliveira falou em pormenor da sua mais recente obra – A Raposa Sebastiana, 3.º livro da Coleção Vida Selvagem, todos da sua autoria, aos alunos dos 3.º e 4.º anos da Escola Básica de Pias.

Para além de ter partilhado o seu fascínio pelos livros e pela pintura, revelou-lhes que para se escrever é preciso ler muito. “Porque ler estimula muito a imaginação”, explicou a autora. “Escolhi a heroína para a presente história: a Sebastiana! Admirando o grupo familiar com os binóculos, notei-a desde cedo, ainda era alimentada pela mãe. Ela e os irmãos já tinham aberto os olhitos, teriam umas duas semanas de vida. […] Das janelas da minha sala de trabalho fui-a apreciando e, entre outros aspetos, anotei o crescimento(…). Tomei notas e fiz desenhos. […] Silenciosamente, como a mãe lhe tinha ensinado, lá ia ela atrás de um coelho, saltando e filando-o pelo dorso com elegância. As raposas têm dentes muito fortes. […] Como todas as raposas, ela caça mais ao fim do dia e sempre sozinha…

No final, os alunos colocaram imensas questões à autora sobre o seu interesse pela escrita e pela vida dos animais e ainda lhe mostraram os desenhos que também eles fizeram sobre as aventuras desta astuta ladina.

Depois ainda houve uma sessão de fotografias! Foi uma conversa muito animada…

 

“Clube das Efes” com Beatriz Lamas Oliveira

Galeria

Autora do livro “O Clube das Efes” na nossa Biblioteca

Padrão

Beatriz Lamas Oliveira (autora e ilustradora) apresenta o seu último livro "O Clube das Efes"

As doninhas dão o título à aventura: “O Clube das Efes”. São elas a Faia, a Flor e o Freixo, encantadores membros deste exclusivo Clube que habitam numa aldeia de Entre Douro e Minho, escondida de olhares estranhos. A ação decorre entre as férias do natal e o fim de abril, com o recomeço das aulas.

Elas vivem as suas ativas vidas de animais selvagens, sem se preocuparem com os humanos. Procuram alimento, caçam, escondem-se nos abrigos onde se sentem seguras, acasalam e cuidam dos filhotes sem precisarem da ajuda das pessoas da aldeia. Mas, por vezes, em situações excecionais, como tempestades ou cheias, grandes secas ou incêndios, o território das doninhas, os seus abrigos, alimentos ou filhos, podem ficar em perigo.

Uma dessas situações de risco, para o bem-estar animal, ocorre inesperadamente nesta história. Serão a Faia, a Flor e o Freixo salvos a tempo?

Mas como, se homens e animais selvagens não falam a mesma língua?

Numa aguda situação de perigo, a ajuda das pessoas que observam e admiram as doninhas, pode preservar-lhes o habitat e defender a integridade do meio ambiente?

João Pedro Mésseder na EB1 da Boavista

Padrão
João Pedro Mésseder visitou a biblioteca da EB1 de Boavista/Silvares

Mésseder visitou a biblioteca da EB1 de Boavista/Silvares

Falou de si enquanto professor, poeta, homem sensível que se deixa “tocar” pelo mundo que o rodeia: a natureza, os animais, a beleza. Falou das suas origens. Da cidade do Porto, do rio Douro, do mar, da sua poesia, dos seus amigos: Miguel Torga, Eugénio de Andrade, Luísa Dacosta… das árvores, dos pássaros, das palavras, que são aquilo com que constrói os seus livros.

Recordou o poeta/compositor brasileiro Vinícius de Moraes e ensinou os alunos a repetirem as frases do poema “A Casa”, enquanto estalava os dedos: Era uma casa muito engraçada/não tinha teto, não tinha nada/Ninguém podia entrar nela, não/Porque na casa não tinha chão/Ninguém podia dormir na rede/Porque na casa não tinha parede/Ninguém podia fazer pipi/Porque penico não tinha ali//Mas era feita com muito esmero/Na rua dos Bobos, número zero… Uma casa sem teto, sem chão, sem paredes, sem penico. Aprenderam a magia das palavras.

Respondeu às questões que os alunos lhe colocaram. Revelou o seu fascínio pelos ciganos. João Pedro Mésseder, terminou, brindando os nossos meninos,  com o conto ” A galinha negra”. Todos puderam perceber nele a fantasia dos seus contos.